Romaneio. Quais informações não podem faltar?

Romaneio

É um termo corriqueiro para as empresas que entregam ou coletam mercadorias, mas muitos não se dão conta da sua origem. Você sabe de onde vem a palavra romaneio? Dividindo o termo, sílaba por sílaba, surge uma boa dica. Romaneio é um documento que fazia parte da rotina da antiga Roma, para controle das mercadorias das províncias.

Funcionava assim: primeiro as embalagens vazias eram pesadas. Depois, os produtos com as embalagens. A diferença era registrada e embarcada para Roma. Esse registro era o romaneio. Para quem quiser se aprofundar na história, tem mais detalhes no livro “Logística de Container e Procedimentos em Importação e Exportação”, de Edberto Fioravanti Ribeiro.

Muitos séculos depois, o romaneio ainda é utilizado em todo o mundo, com a ajuda cada vez maior da tecnologia. Todos os dias, os profissionais que trabalham com logística analisam dezenas de variáveis para organizar as rotas. Entre essas variáveis, estão a quantidade de veículos e de motoristas, as distâncias, as cargas, as restrições e os horários de entrega.

Otimizar os romaneios faz parte do trabalho desses profissionais. O foco é economizar tempo e dinheiro. Gerar o romaneio pode ser entendido então como o processo de geração dessas rotas, levando em conta todos os fatores citados acima. Entre os benefícios, estão o maior controle da mercadoria, inclusive para questões envolvendo o seguro da carga, além da melhoria de todo o fluxo de trabalho.

Já falamos sobre o que romaneio na teoria. Agora, você deve estar se perguntando como ele funciona na prática. Será que existe um checklist obrigatório para o romaneio, contendo todas as informações que não podem faltar?

Não existe um padrão, mas podemos enumerar os itens mais comuns. Vamos conhecê-los?

 

Romaneio de carga

A resposta está no site da Receita Federal, no item Romaneio de Carga, traduzido para o inglês como Packing List. A Receita conceitua o romaneio de carga como o documento de embarque que discrimina todas as mercadorias embarcadas ou todos os componentes de uma carga em quantas partes estiver fracionada. Sob a ótica da fiscalização, o objetivo é facilitar a identificação e localização de qualquer produto dentro de um lote, para facilitar a conferência da mercadoria, tanto no embarque quanto no desembarque.

A Receita também reforça que não existe um padrão para este documento, mas sugere os elementos mais comuns. Entre eles, a quantidade total de volumes, a sua marcação, a identificação dos volumes por ordem numérica e a espécie de embalagens, contendo peso líquido, peso bruto, dimensões unitárias e o volume total da carga.

Com todas essas informações, o romaneio gerado pela sua equipe vai se tornar bastante robusto, mas existe mais um item que pode melhorar ainda mais o trabalho. Um bom roteirizador ajuda a otimizar todo esse processo, gerando redução de custos e maior previsibilidade da operação. A redução de custos envolve economia de tempo, de combustível, de pneus, além do aumento do controle e eficiência das entregas ou coletas. O Reasy é uma plataforma que responde a tudo isso, a um preço bem menor do que você imagina. Para testar, sem compromisso, é só CLICAR AQUI. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *